A VIOLENTA AGONIA DAS DITADURAS DO CRIME ORGANIZADO

Nas Américas, a democracia tem cinco elementos essenciais obrigatórios: "respeito aos direitos humanos e às liberdades fundamentais; Acesso ao poder e ao exercício sujeito ao estado de direito; A realização de eleições regulares, livres e justas baseadas no sufrágio universal e secreto como expressão da soberania do povo; O regime plural de partidos e organizações políticas; E a separação e a independência das autoridades públicas. "

A VIOLENTA AGONIA DAS DITADURAS DO CRIME ORGANIZADO

Por Carlos Sánchez Berzaín

A ditadura de Castro de Cuba foi salva em 1999 pelo apaziguamento de Hugo Chavez a Fidel Castro, criando um projeto criminoso apresentado como um político, que chamaram de movimento Bolivariano, Alba e socialismo do século XXI, hoje Castro-chavismo. Os povos das Américas têm sido e são vítimas de violações dos direitos humanos, liquidação da democracia e aquisição pelo grupo criminoso que ainda oprime Cuba, Venezuela, Nicarágua e Bolívia, onde sofrem a violenta agonia de ditaduras de Crime organizado, com efeitos em toda a região.

A política é “o público, que significa civil, sobre os assuntos do cidadão.” Na política a atividade principal é o serviço público porque é “uma tarefa requisitada ao bem comum”. Esta é “a atividade pela qual uma sociedade livre, composta de pessoas livres, resolve os problemas colocados pela sua convivência coletiva”, com formas ideológicas para o acesso ao poder das pessoas ou grupos que “levam e vigiam as garantias da população” .

Além do serviço público, há o quadro de “democracia” como uma “forma de governo em que o poder político é exercido pelos cidadãos”, que reconhece que a soberania reside no povo. Nas Américas, a democracia tem cinco elementos essenciais obrigatórios: “respeito aos direitos humanos e às liberdades fundamentais; Acesso ao poder e ao exercício sujeito ao estado de direito; A realização de eleições regulares, livres e justas baseadas no sufrágio universal e secreto como expressão da soberania do povo; O regime plural de partidos e organizações políticas; E a separação e a independência das autoridades públicas. ”

Embora a política deva ser uma atividade livre, legal, controlada, temporária, sujeita à responsabilização e sujeita ao escrutínio público, achamos que o oposto na área do crime que é “qualquer ação ou omissão contrária ao sistema jurídico do Sociedade “. A delinquência é o termo usado para “nomear um coletivo de criminosos” para um grupo de indivíduos que infratores, cometendo crimes que ameaçam a sociedade e seus membros.

O crime é uma ameaça que praticamente todos os Estados do mundo fazem parte da “Convenção das Nações Unidas contra o crime organizado transnacional” ou “Convenção de Palermo”, resumida por Kofi Anna em seu prefácio afirmando que: ” Se o estado de direito é prejudicado não só em um país, mas em muitos países, aqueles que defendê-lo não podem ser limitados a apenas usando meios e meios nacionais. Se os inimigos do progresso e dos direitos humanos procuram fazer uso da abertura e das possibilidades da globalização para alcançar seus objetivos, devemos usar esses mesmos fatores para defender os direitos humanos e derrotar o crime , corrupção e tráfico de seres humanos. ”

Neste contexto, não há dúvida de que a ditadura de Castro que oprime Cuba por mais de 60 anos é um grupo do crime organizado. Que o processo de expansão do Castroísmo após sua aliança com Hugo Chávez, o Castro-chavismo que controla Cuba, Venezuela, Nicarágua e Bolívia, é uma longa sucessão de crimes que são repetidos e repetidos incessantemente e que afeta direta e indiretamente todos os Américas.

O crime organizado transnacional Castro-Chavez deve ser tratado como criminosos comuns no âmbito da Convenção de Palermo, que está em vigor para Cuba, Venezuela, Nicarágua e Bolívia. É urgente que os governos democráticos parem de consentir com o álibi de reconhecer a condição política aos criminosos que detêm o poder, o que lhes permite reivindicar Imunidades presidenciais, proteger-se na soberania que atropelam, reivindicar não-intervenção Territórios que oprimir e submeter pela força do crime diário, oficial e reiterado.

O Castro-Diaz canel, maduro, Cabello, padrinho, Ortega, Murillo, Morales e mas, são criminosos que usurpar a política e suja-lo com cumplicidade de oposições funcionais e grupos sujeitos ao terror, corrupção e miséria. Hoje eles agonizam com a violência. Ditadores do crime organizado estão perdendo poder político em agonia violenta, como eles tomaram e como eles o exercitam.

* Advogado e politólogo. Diretor do Instituto Interamericano para a democracia “

Postado por Infobae.com em domingo, Abril 7, 2019

“As opiniões aqui publicadas são da responsabilidade absoluta do autor