Fórum: “o papel do judiciário na violação dos direitos humanos no Equador”

14 de setembro, 2016 (9:30AM a 1:30PM) U.S. Congress-Washington DC Edifício de escritórios da casa de Rayburn Quarto 2255

Watch forum Live (clique aqui)

Instituto Interamericano para a democracia

Associação inter-americana de advogados

Cordialmente convidá-lo para o Fórum

“O papel do judiciário na violação dos direitos humanos no Equador”

14 de setembro, 2016 (9:30AM a 1:30PM)

Congresso dos EUA – Washington DC

Edifício de escritórios da casa de Rayburn

Quarto 2255

CONVITE PDF (clique aqui): Fórum em WASHINGTON DC (SEPT-14-2016)

Programa

9:30am a 10:00am-registro e café da manhã

10:00am to 10:15AM — abertura – Beatrice E. Rangel – diretora do IID

“Sem separação e independência de poderes não há democracia”

10:15AM-10:30am — associação inter-americana de advogados

Prof. Bjorn ARP pH. D.

10:30am a 10:45am – Keynote Speaker

Douglas Cassel JD

11:00am to 11:15AM-“o judiciário como uma ferramenta para silenciar a liberdade de expressão on-line no Equador”

Daniela Salazar Marin LL.

11:15AM a 11:30am – “abuso judicial para repressão política”

Dr. Jaime Vintimilla Saldana MSt.

11:30am a 11:45am – “abuso judicial no controle de Mass Media”

Dr. Jorge Zavala Egas

11:45am a 12:00pm – “abuso judicial para repressão política”

Carlos Manosalvas Silva MST.

12:00pm a 12:15pm-“a relação entre governo e sociedade civil,

E o abuso de direito penal no Equador “

Rafael paredes Corral LL.

12:15pm a 12:30pm – observações de encerramento/Resumo

Juan Antonio Blanco pH. D.

Douglas Cassel JD

12:30pm – observações de encerramento

Congresswoman – Ileana Ros-Lehtinen

Congressista-Joaquin Castro

Apresentando Keynote Speaker – Prof. Douglas Cassel J.D. O professor Cassel é um estudioso, advogado e comentarista distinto e amplamente publicado, especializado em direito internacional dos direitos humanos, especialmente no que diz respeito a questões de negócios e direitos humanos, sistemas regionais de direitos humanos, penal internacional e Humanitário. Ele é o Presidente do Conselho de administração do centro de estudos da Justiça das Américas, ao qual foi eleito três vezes pela organização dos Estados americanos, e ex-presidente do devido processo da Fundação da lei. Ele atuou como consultor em direitos humanos para as Nações Unidas, organização dos Estados americanos, departamento de estado dos Estados Unidos e departamento de Justiça, a Fundação Ford, e inúmeras organizações não-governamentais de direitos humanos. Ele palestras em todo o mundo e seus artigos são publicados internacionalmente em inglês e espanhol.
Associação inter-americana de advogados – Prof. Bjorn ARP pH. D. Dr. Björn ARP é um Fellow na universidade americana Washington College of Law Center em arbitragem comercial internacional, onde também coensina arbitragem comercial internacional. Ele também é editor-chefe da lei dos relatórios do mar e um parceiro na Aparicio, ARP & Associates LLC, em Washington, D.C. Ele ensinou direito internacional público, direito da União Europeia e arbitragem de investimento na Universidade de Alcalá, Madrid, de 2000 a 2010. Em 2007, a ARP foi pesquisadora visitante da Harvard Law School. Suas publicações e pesquisas se concentraram na proteção de investimentos internacionais e direitos humanos.
1. “o judiciário como ferramenta para silenciar a liberdade de expressão on-line no Equador” – Daniela Salazar Marín LL. O professor Salazar é o associado reitor da Universidade San Francisco de Quito-Law School (Quito) e um antigo especialista em direitos humanos da Comissão Interamericana de direitos humanos. Ela também escreveu muitos artigos em direito internacional dos direitos humanos e lei de imigração. O professor Salazar recebeu o LL. B da faculdade de direito da Universidade de São Francisco (Quito) e seu LL. M de Columbia Law School (Nova Iorque). Entre suas afiliações, ela também é membro da área acadêmica de ciências jurídicas da casa da cultura, das obrigações extraterritoriais Consortium (Heidelberg) e membro da SELA – Universidade de Yale.
2. “abuso judicial por repressão política” – Dr. Jaime Vintimilla MSt. Professor. Vintimilla é um membro do corpo docente da faculdade de direito da Universidade de São Francisco, e professor dos programas de pós-graduação em direito na Universidade Andina Simon Bolivar (Quito) e Alcalá de Henares (Espanha). Ele escreveu mais de 25 artigos e livros sobre direito constitucional e financeiro, também sobre arbitragem, mediação, história, Genealogia e justiça indiana.
3. “uso indevido judicial no controle de Mass Media” Dr. Jorge Zabala Egas.
Professor Zabala, é membro do corpo docente do programa de pós-graduação em direito da Pontifícia Universidade Católica (Guayaquil e Cuenca). Também leciona direito na UESS (Universidad de especialidades Espiritu Santo Santiago de Guayaquil) e na Universidade de San Gregorio (Portoviejo). Ele escreveu muitos artigos, livros e realizou vários workshops sobre direito constitucional, penal e processual.
4. “o judiciário como instrumento de censura”. Dr. Fabricio Blondes Morales MSt. O professor Rubiaes é membro do corpo docente da Universidad Central del Ecuador e sócio-gerente da Rubiaes and Associates Law Firm (Equador). O professor Rubias recebeu Bacharelado em ciências políticas e sociais pela Universidad Central del Ecuador e tem um Juris Doctor da Universidade Internacional do Equador. Ele também tem um mestrado em educação e é candidato a um mestrado em direito penal e processual pela Universidade Central do Equador.
Carlos Manosalvas MSt. é um associado em Quevedo & Ponce advocacia no Equador e um dos advogados que representou o Sr. Francisco Endara em seu processo criminal. Sr. Manosalvas recebeu Mestrado em direito internacional ambiental e mestrado em negociação internacional e comércio exterior.
5. “a relação entre governo e sociedade civil, e o abuso de direito penal no Equador” – Rafael paredes Corral LL. Sr. Paredes é advogada equatoriana com mestrado em direito (LLM) pela University College London. Ele pratica advocacia no Equador e também pode prestar assessoria jurídica em assuntos jurídicos relacionados ao direito internacional em países da América Latina. Suas áreas de especialização são direito da concorrência, direito de investimento e energia e direitos humanos. Rafael trabalha com os casos dos direitos humanos, incluindo crimes contra a humanidade, como tortura, prisão ilegal e desaparecimento forçado de pessoas. Como especialista em tráfico de pessoas, presta assistência técnica às instituições estatais, organizações internacionais e organizações não-governamentais sobre prevenção de TIP, proteção de vítimas de TIP e sanctionss de traficantes. Sr. Paredes recebidas e LL. B. Da faculdade de direito da Universidade de São Francisco (Quito) e B. A em ciência política e desenvolvimento internacional pela Saint Mary ‘ s University (Canadá)
6. “a relação entre governo e sociedade civil, e o abuso de direito penal no Equador” – Pier Paolo Pigozzi LL. M e S.J. D (candidato). Professor Pigozzi é um candidato JSD na escola de direito Notre Dame e um membro do corpo docente da faculdade de direito da Universidade de São Francisco (Quito). Ele também foi professor adjunto de direito constitucional na Pontifícia Universidade Católica (Ibarra, 2009-2009), e nos últimos anos ensinou jurisprudência internacional na Universidad Andina Simon Bolívar (Quito). Além disso, ele publicou muitos artigos e realizou vários workshops sobre direito internacional dos refugiados, direitos humanos e direito constitucional. Antes de frequentar a Universidade de Notre Dame, ele era um funcionário do Tribunal Constitucional equatoriano (2009), e trabalhou com refugiados por quatro anos em diferentes capacidades no escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os refugiados (2008-2009), no Ecuadorian Ministério dos negócios estrangeiros (2005-2008). O Prof. Pigozzi recebeu o LL. B. Da Pontifícia Universidade Católica do Equador e um LL. Da Universidade de Notre Dame.
Sebastian González é um advogado equatoriano e perito em direito constitucional e eleitoral. Eu recebi o seu LL. B. Da Pontifícia Universidade Católica do Equador e pós-graduação da Universidad externo (Colômbia).

Com o apoio de:

Diariamente las Americas Demos das AméricasDireitos humanos-Américas